Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Momento Poético

.


O LADRÃO DO PÃO :

Eu já não sou marujo.
do mar fujo.

§

O mar é um grande ladrão.
O mar não vem comer à mão.

§

Adentro-me pelos campos.
Levo um remo.
Ainda tremo do re-
mar.

§

Dou costas às searas,
que me fazem marear.

§

O ladrão não rima com pão.
O ladrão não rema.
Quem remava era a minha mão.

§

Até que enfim que o rosmaninho
é uma flor.

§

Remo ao ombro,
deito sombra no
chão.

§

'– Marujinho às amoras,
foi o mar que te ralhou?'

Ainda falam do ladrão.
Ainda sabem quem sou.

§

Um coelho
no tojo.

Zás zar-
pa.

Ainda falo as palavras do ladrão.

§

Nestes quatro caminhos
alguém naufragou.

'Aqui viu contados seus dias
Joaquim Inácio, dito O Manaças,
morto à traição numa espera
que para ele não era.
Ó tu que passas,
um Padre-Nosso e uma Avé-Maria
por sua intenção.'

Credo!
Eu e o remo
fazemos sombra de cruz
no chão.

§

Pergunto ao do tractor:

'– Amigo, aonde leva este caminho?
– Pra lá dos montes, marujinho.'

Ó ladrão
vou-te afogar em vinho.

§

À porta da taberna,
o ramo de louro.

Na soleira,
uma cadela prenha.

§

À terceira rodada
já querem saber
donde é que eu sou,
que venho ali fazer.

Respondo:

'– Esquecer.'

§

'– Tenho lá fora um remo.
É o que me resta do mar,
mais uma grande vontade
de o afogar.'

§

'– Marujinho, a terra é madrasta
pra quem está do lado do suor.

– E o mar é um grande ladrão.
Não troca o suor em pão.'

§

Galgo a soleira,
pego no remo.

Estirada, a cadela
parece um peixe
na minha esteira.

§

Agora abre-se
o guarda-chuva da noite.

Nos montes, em derredor,
piscam luzeiros,
alteiam-se fogachos.

Trinco a cebola,
mordo o casqueiro.

Largo a pensar.

§

Dois luzeiros descem do monte.
Desaparecem. Aparecem.

Dois faróis encandeiam-me.
Tac-tac de motor.

'– Suba.
É a última da carreira.'

§

Tran! A porta fechou-se.

Olho em redor.
Sou o único passageiro.

§

Nas curvas, ouço o remo
rolar no tejadilho.

Começo a não perceber.
Começo a sentir frio.

§

Ninguém me cobra bilhete.

A camionete vai
desarvorada.

§

Ninguém me pergunta
donde? praonde?

A camionete pá-
ra.

§

'– É aqui. Desça.'

Salto.
Atiram-me o remo
para a estrada.

§

Então o grande olho
acusador,
fogo santelmo na roda da candeia,
crava-se em mim: '– Aqui é a fronteira.
Algo a declarar?

– Só este lenho
que eu trouxe por trazer.

– Nada a fazer.
Tem de voltar prò mar.'

§

Ao sol
não canta o rouxinol.

Na alta manhã
uma voz clareia.

Lá estão os montes
de antes de eu os sonhar.

§

'– Acorda, padeirinho
que o pão não cozeste.
Deixaste sair o dia.
Onde foi que te perdeste?

Trouxeste a pá contigo,
à procura de forno?
Escusavas de ir tão longe,
que o meu ainda está morno.

Vem cozer o teu pão,
padeirinho jeitoso.
Eu amasso a farinha.
Tu aqueces o forno.

E depois, quando o pão
estiver a tufar,
galhofeiros, riremos
de o ouvir estalar.'

§

'– Quem disse que fui marinheiro?
Aqui declaro a pura verdade:
esta pá é pá de padeiro
(padeiro de muito enfornar)
e se não fora o ladrão do pão
até gostava de ir conhecer
o mar!'
.
Alexandre O'Neill, 'De Ombro na Ombreira', Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1969; in 'Poesias Completas', Lisboa, Assírio & Alvim, 6.ª edição (revista por Luis Manuel Gaspar), Junho de 2012

.

.

(Material recolhido para publicação na página-Facebook da Universidade Sénior de Alcântara, ao abrigo do artº 75 do Código do Direito do Autor)

 .

NelitOlivas

 

publicado por picareta escribante às 05:19
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
17


29
30
31


.posts recentes

. Quiz XLVIII

. Quiz XLVII

. Quiz XLVI

. Quiz XLV

. Quiz LIV

. Quiz LIII

. Quiz LII

. Quiz LI

. Quiz L

. Quiz XLIX

.arquivos

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub