Terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Momento Poético

.

Calçada de Carriche :

.
Luísa sobe,
sobe a calçada,
sobe e não pode
que vai cansada.
Sobe, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe
sobe a calçada.
Saiu de casa
de madrugada;
regressa a casa
é já noite fechada.
Na mão grosseira,
de pele queimada,
leva a lancheira
desengonçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Luísa é nova,
desenxovalhada,
tem perna gorda,
bem torneada.
Ferve-lhe o sangue
de afogueada;
saltam-lhe os peitos
na caminhada.
Anda, Luísa.
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Passam magalas,
rapaziada,
palpam-lhe as coxas,
não dá por nada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Chegou a casa
não disse nada.
Pegou na filha,
deu-lhe a mamada;
bebeu da sopa
numa golada;
lavou a loiça,
varreu a escada;
deu jeito à casa
desarranjada;
coseu a roupa
já remendada;
despiu-se à pressa,
desinteressada;
caiu na cama
de uma assentada;
chegou o homem,
viu-a deitada;
serviu-se dela,
não deu por nada.
Anda, Luísa.
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Na manhã débil,
sem alvorada,
salta da cama,
desembestada;
puxa da filha,
dá-lhe a mamada;
veste-se à pressa,
desengonçada;
anda, ciranda,
desaustinada;
range o soalhoa cada passada;
salta para a rua,
corre açodada,
galga o passeio,
desce a calçada,
desce a calçada,
chega à oficina
à hora marcada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga;
toca a sineta
na hora aprazada,
corre à cantina,
volta à toada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga.
Regressa a casa
é já noite fechada

Luísa arqueja
pela calçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

.

António Gedeão

.

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor)

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 06:09
link | comentar | favorito

Efeméride Cultural do Dia - 30/9

.

A 30 de Setembro de 1924, nasce Truman Capote - escritor americano (f. 1984)

.

.

Truman Streckfus Persons, mais conhecido como Truman Capote (Nova Orleans30 de setembro de 1924 — Los Angeles25 de agosto de 1984), foi um escritor, argumentista e dramaturgo norte-americano, escritor de vários contosromances e peças teatrais, reconhecidas como clássicos literários, incluindo a novela Bonequinha de Luxo (1958). Foi o pioneiro do jornalismo literário com A Sangue Frio (1966), classificado por ele como um romance de não-ficção.

Capote teve uma infância perturbada pelo divórcio dos seus pais, uma longa separação de sua mãe e múltiplas migrações. Descobriu o seu interesse pela literatura aos 11 anos e pelo resto da sua infância aperfeiçoou suas habilidades literárias. Capote iniciou sua carreira profissional escrevendo contos.

O sucesso crítico de um conto, Miriam (1945), atraiu a atenção do editor Benett Cerf, da Random House, e resultou num contracto para escrever o romance Outras Vozes, Outros Lugares (1948). Capote ganhou grande parte de sua fama com A Sangue Frio, uma obra jornalística sobre o assassinato de uma família camponesa do Kansas. Capote passou quatro anos escrevendo o livro, ajudado pela sua grande amiga Harper Lee, que escreveu O Sol Nasce para Todos (1960). Um marco na cultura popular, A Sangue Frio foi o ápice da carreira literária de Capote; foi o seu último livro completamente publicado em vida. Nos anos de 1970, ele manteve o status de celebridade aparecendo em talk shows.

Bibliografia :

Romances

  • Outras Vozes, Outros Lugares (1948)
  • Summer Crossing (aproximadamente 1949 – publicado postumamente em 2006)
  • The Grass Harp (1951)
  • A Sangue Frio (1965)
  • Súplicas Atendidas (alguns capítulos em 1986 – e publicado incompleto postumamente)

Contos[editar | editar código-fonte]

  • Miriam (1945)
  • Uma Casa de Flores (1950 – o primeiro capítulo foi publicado na Botteghe Oscure em 1950 e na Harper’s Bazaar em 1951)
  • Carmen Therezinha Solbiati – So Chic (1955 – publicado na Vogue em 1956)
  • Memória de Natal (1956 – publicado na Mademoiselle)
  • (1964 – publicado na revista Seventeen)
  • The Thankgsgiving Visitor (1968 – publicado como livro de presente)
  • One Christmas (1983 – publicado como livro de presente)
  • Mojave e La Cote Basque (1975 – publicados na Esquire)
  • Unspoiled Monsters e Kate McCloud (1976 – publicados na Esquire)
  • Música para Camaleões (1980)
  • The Complete Stories of Truman Capote (2004 – antologia de vinte contos)

Novelas

Ensaios

  • Local Color (1950 – coleção de ensaios de viagem pela Europa)
  • The Duke in His Domain (1957 – retrato de Marlon Brando, publicado na The New Yorker)
  • A Capote Reader (1987 – edição abrangente contendo grande parte dos trabalhos menores de Capote, ficcionais e não-ficcionais)

Teatro

  • The Grass Harp (1952 – adaptação do seu romance)
  • House of Flowers (1954 – musical da Broadway)

Roteiros

  • Beat the Devil (1953)
  • Terminal Station (1953 – apenas os diálogos)
  • The Innocents (1960 – roteiro baseado em A Volta do Parafuso, de Henry James)
  • Laura (1968)

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor)

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:25
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Momento Poético

.

Havia um homem que corria pelo orvalho dentro :

Havia um homem que corria pelo orvalho dentro.
O orvalho da muita manhã.
Corria de noite, como no meio da alegria,
pelo orvalho parado da noite.
Luzia no orvalho. Levava uma flecha
pelo orvalho dentro, como se estivesse a ser caçado
loucamente
por um caçador de que nada sabia.
E era pelo orvalho dentro.
Brilhava.

Não havia animal que no seu pêlo brilhasse
assim na morte,
batendo nas ervas extasiadas por uma morte
tão bela.
Porque as ervas têm pálpebras abertas
sobre estas imagens tremendamente puras.
Pelo orvalho dentro.
De dia. De noite.
A sua cara batia nas candeias.
Batia nas coisas gerais da manhã.
Havia um homem que ia admiravelmente perseguido.
Tomava alegria no pensamento
do orvalho. Corria.

Ouvi dizer que os mortos respiram com luzes transformadas.
Que têm os olhos cegos como sangue.
Este corria assombrado.
Os mortos devem ser puros.
Ouvi dizer que respiram.
Correm pelo orvalho dentro, e depois
estendem-se. Ajudam os vivos.
São doces equivalências, luzes, ideias puras.
Vejo que a morte é como romper uma palavra e passar

- a morte é passar, como rompendo uma palavra,
através da porta,
para uma nova palavra. E vejo
o mesmo ritmo geral. Como morte e ressureição
através das portas de outros corpos.
Como uma qualidade ardente de uma coisa para
outra coisa, como os dedos passam fogo
à criação inteira, e o pensamento
pára e escurece

- como no meio do orvalho o amor é total.
Havia um homem que ficou deitado
com uma flecha na fantasia.
A sua água era antiga. Estava
tão morto que vivia unicamente.
Dentro dele batiam as portas, e ele corria
pelas portas dentro, de dia, de noite.
Passava para todos os corpos.
Como em alegria, batia nos olhos das ervas
Que fixam estas coisa puras.
Renascia."

Herberto Helder

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor).

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 06:29
link | comentar | favorito

Efeméride-Cultural do Dia - 29/9

.

A 29 de Setembro de 1571, nasce Caravaggio - pintor italiano (f. 1610).

.

.

Michelangelo Merisi da Caravaggio (Milão, 29 de setembro de 1571 – Porto Ercolecomuna de Monte Argentario18 de julho de 1610) foi um pintor italiano atuante em RomaNápolesMalta e Sicília, entre 1593 e 1610. É normalmente identificado como um artista barroco, estilo do qual foi o primeiro grande representante. Caravaggio era o nome da aldeia natal da sua família e foi escolhido como seu nome artístico.

"Após vários anos de trabalho, Caravaggio andou de cidade em cidade servindo vários senhores importantes. É um trabalhador incansável, porém orgulhoso, teimoso e sempre disposto a participar em discussões e a envolver-se em brigas, o que torna difícil conviver com ele".-Floris Claes van Dijk. Passou a envolver-se em brigas, fazer ameaças e insultos em comércios, quebrando pratos em restaurantes e ferindo seus adversários com faca ou espada.

Exceto em suas primeiras obras, Caravaggio pintou fundamentalmente temas religiosos. No entanto, foram várias as vezes em que as suas pinturas feriam as susceptibilidades dos seus clientes. Nos seus quadros, em vez de adoptar nas suas pinturas belas figuras etéreas, delicadas, para representar acontecimentos e personagens da Bíblia, preferia escolher por entre o povo, modelos humanos tais como prostitutas, crianças de rua e mendigos, que posavam como personagens para as suas obras.

Caravaggio procurou a realidade palpável e concreta da representação. Utilizou como modelos figuras humanas, sem qualquer receio de representar a feiura, a deformidade em cenas provocadoras, características essas que distinguem as suas obras. Tudo isso chocou os seus contemporâneos, pela rudez das suas pinturas. Dos efeitos que Caravaggio dava aos quadros, originou-se o tenebrismo, em que os tons terrosos contrastam com os fortes pontos de luz... - (in Wikipédia)

Obras :

A Morte da Virgem

Flagelação de Cristo

São João Batista

A ceia de Emaús 

David com a cabeça de Golias

Crucificação de São Pedro

Cesta de frutas; Baco; Descanso durante fuga para o EgitoA Adivinha...

 

 

 

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor).

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:54
link | comentar | favorito
Domingo, 28 de Setembro de 2014

Efeméride-Cultural do Dia - 28/9

.

A 28 de Setembro de 1909, nasce Stephen Spender - poeta e romancista inglês (m.1995).

 

 

.

Stephen Harold Spender (28 de Setembro de 1909Londres – 16 de Julho de 1995) foi um poetaromancista e ensaistainglês que se debruçou sobre os temas da injustiça social e da luta de classes.

 

Obras seleccionadas :

Poetry

  • Nine Experiments (1928, edição privada)
  • Twenty Poems (1930)
  • Poems (1933; segunda edição 1934)
  • Vienna (1934)
  • The Still Centre (1939)
  • Ruins and Visions (1942)
  • Spiritual Exercises (1943, edição privada)
  • Poems of Dedication (1947)
  • The Edge of Being (1949)
  • Collected Poems, 1928-1953 (1955)
  • Selected Poems (1965)
  • The Express (1966)
  • The Generous Days (1971)
  • Selected Poems (1974)
  • Recent Poems (1978)
  • Collected Poems 1928-1985 (1986)
  • Dolphins (1994)
  • New Collected Poems, editado por Michael Brett, (2004)

Teatro

understanding school

Ficção

  • The Burning Cactus (1936, contos)
  • The Backward Son (1940)
  • Engaged in Writing (1958)
  • The Temple (escrito em 1928; publicado em 1988)

Crítica, livros de viagens, e ensaios[editar | editar código-fonte]

  • The Destructive Element (1935)
  • Forward from Liberalism (1937)
  • Life and the Poet (1942)
  • European Witness (1946)
  • Poetry Since 1939 (1946)
  • The God That Failed (1949, e outros, testemunhos de ex-comunistas)
  • Learning Laughter (1952)
  • The Creative Element (1953)
  • The Making of a Poem (1955)
  • The Struggle of the Modern (1963)
  • The Year of the Young Rebels (1969)
  • Love-Hate Relations (1974)
  • Eliot (1975; Modern Masters series)
  • W. H. Auden: A Tribute (editado por Spender, 1975)
  • The Thirties and After (1978)
  • China Diary (with David Hockney, 1982)
  • Love-Hate Relations (1974)
  • The Thirties and After (1978)

Memórias

Cartas e diários

  • Letters to Christopher: Stephen Spender's Letters to Christopher Isherwood (1980)
  • Journals, 1939-1983 (1985)

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor).

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:48
link | comentar | favorito

Momento Poético

.

Los Amores De La Niña :

Los amores de la niña
que tan lindos ojos ha,
que tan lindos ojos ha.
Ay Dios, ¿quién los servirá?
Ay Dios, ¿quién los haberá?

Tiene los ojos de azor,
hermosos como la flor;
quien los sirviere de amor,
no sé como vivirá,
que tan lindos ojos ha.
Ay Dios, ¿quién los servirá?
Ay Dios, ¿quién los haberá?

Sus ojos son naturales
de las águilas reales,
los vivos hacen mortales,
los muertos suspiran allá,
que tan lindos ojos ha.
Ay Dios, ¿quién los servirá?
Ay Dios, ¿quién los haberá?

Gil Vicente

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor).

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:40
link | comentar | favorito
Sábado, 27 de Setembro de 2014

Efeméride-Cultural do Dia - 27/9

.

A 27 de Setembro de 1917, falece Edgar Degas - pintor francês (n. 1834)

.

.

Edgar Hilaire Germain Degas (Paris19 de julho de 1834 — Paris27 de Setembro1917) foi um pintorescultor e fotógrafo francês. É conhecido sobretudo pela sua visão particular no mundo do balet, sabendo captar os mais belos e súbteis cenários. É ainda reconhecido pelos seus célebres pastéis e como um dos fundadores do impressionismo. Muitos dos seus trabalhos conservam-se hoje no Museu de Orsay, na cidade de Paris, onde o artista nasceu e faleceu. Se o quisermos classificar na história da arte, a maioria das obras consagradas de Degas ligam-se ao movimento impressionista formado em França nos fins do século XIX, em reação à pintura académica da época. Com ele estavam Claude MonetPaul CézanneAugust RenoirAlfred SisleyMary CassattBerthe Morisot e Camille Pissarro, que, cansados de serem recusados nas exposições oficiais, se associaram e criaram a sua própria escola para poderem apresentar as sua obras ao público.

A arte impressionista é descrita frequentemente pelos efeitos de luz ao ar livre; estas características não são, no entanto, aplicáveis a Degas: mesmo tendo sido um dos principais animadores das exposições impressionistas, não se enquadra no movimento que, em nome da liberdade de pintar, caracteriza o grupo. Ao ar livre ele prefere, e de longe, "o que nós só vemos na nossa memória". Dirigindo-se a um pintor ele diz: Para vós, é necessário a vida natural, para mim, a vida fictícia. Se Degas faz, oficialmente, parte dos impressionistas, ele não se identifica com eles nas características mais conhecidas. A sua situação de exceção não escapa aos críticos da época, frequentemente desestabilizados pelo seu vanguardismo. Vários dos seus quadros semearam a controvérsia, e ainda hoje a obra de Degas é objeto de numerosos debates pelos historiadores de arte. Edgar Degas repousa no túmulo da família no cemitério de Montmartre em Paris... - (in Wikipédia)

UMA OBRA - A pequena bailarina :
(A pequena bailarina de catorze anos, escultura forjada em bronze a partir da imagem em cera exibida na Mostra Impressionista de 1881)
.

E depois de A pequena bailarina de catorze anos, Degas marca o início da sua independência do grupo dos impressionistas. Deixa-os para trás. Aquilo para ele era somente uma brincadeira, com a qual se tornou reconhecido na Europa.

Ao exibir esta escultura deixou os seus colegas chocados, como toda a "boa sociedade" da época. A bailarina representada era um dançarina da Ópera que Degas conheceu. A sua família era miserável, tendo mesmo uma irmã prostituta. Estudou balet até os dezasseis anos, já depois de Degas a ter esculpido, até que teve que se prostituir para conseguir viver.

Escandalizado, Degas fez com que a bailarina muito jovem se deixasse desenhar. Começou com simples esboço, depois as telas e depois, uma escultura revolucionária que viria a mudar o mundo. Degas fê-la com o propósito de deixar bem marcados na cera (material com que esculpiu a bailarina) os seus sentimentos face àquela miséria fútil, na qual viviam milhares de parisienses. A sua face mostra o árduo trabalho com o qual conviveu.

Ao exibi-la, chocados, todos perguntavam o porquê de estar ali exposta aquela escultura. Aquilo comovia a sociedade, remexia-lhes o peito, fazia-os tristes, não queriam olhar. Por outro lado, esta escultura foi o primeiro trabalho nesta área da arte que incluiu uma roupa real, desta feita uma saia.

A partir daí, o Mundo começou a refletir sobre aquele aristocrata que se atreveu a provocar a sociedade e Degas foi, de algum modo, rejeitado e até mesmo humilhado. Mas ninguém se pode esquecer que ele mudara a visão conservadora e eclética do mundo, e não se esqueceu de publicitar e de tornar públicos os problemas deste. Anos mais tarde, a famosa escultura tornou-se um ícone desta forma de Arte.

Impossível é deixar de referir que Edgar Degas foi um dos maiores revolucionários da arte do século XIX e de todos os tempos.

.

(Auto retrato de Edgar Degas, do Museu de Orsay)

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor)

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:54
link | comentar | favorito

Momento Poético

.

Lisboa :


Alguém diz com lentidão:
"Lisboa, sabes..."
Eu sei. É uma rapariga
descalça e leve,
um vento súbito e claro
nos cabelos,
algumas rugas finas
a espreitar-lhe os olhos,
a solidão aberta
nos lábios e nos dedos,
descendo degraus
e degraus
e degraus até ao rio.

Eu sei. E tu, sabias?

Eugénio de Andrade

.

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor)

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:26
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

Efeméride-Cultural do Dia - 26/9

.

Em 26 de Setembro de 1898, nasceu George Gershwin - compositor norte-americano (f. 1937).

.

.

George Gershwin, nascido Jacob Gershowitz, (BrooklynNova Iorque26 de setembro de 1898 — HollywoodCalifórnia11 de julho de 1937), foi um compositor dos Estados Unidos. Escreveu a maioria de seus trabalhos vocais e teatrais em colaboração com seu irmão mais velho, o letrista Ira Gershwin. George Gershwin compôs tanto para a Broadway quanto para concertos clássicos. Ele também escreveu músicas populares de grande sucesso.

Muitas de suas composições tem sido usadas na televisão e em inúmeros filmes, além de se tornarem standards de jazz. A cantora Ella Fitzgerald gravou muitas das canções de Gershwin em seu álbum de 1959, Ella Fitzgerald Sings the George and Ira Gershwin Songbook (com arranjos de Nelson Riddle). Incontáveis músicos e cantores gravaram músicas de autoria de Gershwin, incluindo João Gilberto, Oscar Peterson, Fred AstaireLouis ArmstrongAl JolsonPercy GraingerBobby DarinArt TatumBing Crosby,Yehudi MenuhinJanis JoplinJohn ColtraneFrank SinatraBillie Holiday,Sam CookeMiles DavisHerbie HancockMadonnaJudy GarlandJulie AndrewsBarbra StreisandMarni NixonNatalie ColeNina Simone,Maureen McGovernJohn FaheyThe ResidentsSublime (banda), e Sting... - (in Wikipédia)

Composições :

Orquestral
  • Rhapsody in Blue (para piano e orquestra, 1924)
  • Piano Concerto in F (1925)
  • An American in Paris (para orquestra, 1928)
  • Second Rhapsody, originalmente intitulada Rhapsody en Rivets (para piano e orquestra, 1931)
  • Cuban Overture, originalmente intitulada Rumba (1932)
  • Variations on "I Got Rhythm" (para piano e orquestra) (1934)
  • Catfish Row, suíte baseada na música de Porgy and Bess (1936)
Piano Solo
  • Prelúdios para Piano (1926)
  • George Gershwin's Songbook, arranjos de piano para 18 canções (1932)
Musicais da Broadway
  • George White's Scandals
  • Lady, Be Good (1924)
  • Tip-Toes (1925)
  • Song of the Flame (1925)
  • Tell Me More! (1925)
  • Oh, Kay! (1926)
  • Strike Up the Band (1927)
  • Funny Face (1927)
  • Rosalie (1928)
  • Show Girl (1929)
  • Girl Crazy (1930)
  • Of Thee I Sing (1931)
  • Pardon My English (1933)
  • Let 'Em Eat Cake(1933)
  • My One and Only (1983) (musical de 1983 usando músicas escritas por Gershwin)
  • Crazy for You, versão revisada de Girl of Crazy (1992), escrita e compilada sem a participação de George ou Ira Gershwin.
Ópera
  • Porgy and Bess (1935, esta foi, entretanto, primeiramente apresentada na Broadway do que em uma casa de ópera)
Filmes em que Gershwin escreveu partituras originais
  • Delicious, partes de Second Rhapsody que foram usadas no filme. (1931)
  • Shall We Dance, orquestração original por Gershwinm sem gravações disponíveis em estéreo, algumas seções nunca foram gravadas. (1937)
  • A Damsel in Distress (1937)
  • The Goldwyn Follies, postumamente lançada (1937)
  • The Shocking Miss Pilgrim, usou canções não publicadas.

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor)

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:38
link | comentar | favorito

Momento Poético

.

Algumas proposições com pássaros e árvores :

.

Os pássaros nascem na ponta das árvores 
As árvores que eu vejo em vez de fruto dão pássaros 
Os pássaros são o fruto mais vivo das árvores 
Os pássaros começam onde as árvores acabam 
Os pássaros fazem cantar as árvores 
Ao chegar aos pássaros as árvores engrossam movimentam-se 
deixam o reino vegetal para passar a pertencer ao reino animal 
Como pássaros poisam as folhas na terra
quando o outono desce veladamente sobre os campos 
Gostaria de dizer que os pássaros emanam das árvores 
mas deixo essa forma de dizer ao romancista 
é complicada e não se dá bem na poesia 
não foi ainda isolada da filosofia


Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros 
Quem é que lá os pendura nos ramos? 
De quem é a mão a inúmera mão? 
Eu passo e muda-se-me o coração.

.

Ruy Belo

.

 

.

(Material recolhido para publicação na página Facebook da U.A.S., ao abrigo do Artº 75 do Código do Direito do Autor)

.

NelitOlivas

publicado por picareta escribante às 05:28
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
17


29
30
31


.posts recentes

. Quiz XLVIII

. Quiz XLVII

. Quiz XLVI

. Quiz XLV

. Quiz LIV

. Quiz LIII

. Quiz LII

. Quiz LI

. Quiz L

. Quiz XLIX

.arquivos

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub