Quinta-feira, 31 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Thomas Moore

.

Thomas Moore :

.

 

Aqueles noturnos sinos :

Ah, noturnos sinos! Noturnos sinos!
Quantas histórias sua música narram,
Da juventude, do lar, daquele doce tempo,
Quando, pela última vez, suas ternas melodias ouvi .

Já se foram aquelas horas jubilosas,
E muitos corações que, então, alegres eram,
Agora profundamente dormem dentro do tumulo.

E, assim, há de ser quando me for.
Harmoniosos, continuarão ainda repicando aqueles sinos 
Enquanto outros bardos pelas ravinas hão de andar
Vosso louvores entoando, vossos doces noturnos sinos.

                                                                                           

(Trad. de Cunha e Silva Filho)

.

(retirado, com a devida vénia, de "Entretextos")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Ariano Suassuana

.

Ariano Suassuana :

.

 

 

 

 .

 

BREVE BIOGRAFIA

 

Nascimento - A Viagem

Com tema de Fernando Pessoa

 

Meu sangue, do pragal das Altas Beiras,

boiou no Mar vermelhas Caravelas:

À Nau Catarineta e à Barca Bela

late o Potro castanho de asas Negras.

 

E aportou. Rosas de ouro, azul Chaveira,

Onça malhada a violar Cadelas,

Depôs sextantes, Astrolábios, velas,

No planalto da Pedra sertaneja.

 

Hoje, jogral Cigano e tresmalhado,

Vaqueiro de seu couro cravejado.

Com Medalhas de prata, a faiscar,

 

bebendo o Sol de fogo e o Mundo oco,

meu coração é um Almirante louco

Que abandonou a profissão do Mar.

.

(retirado, com a devida vénia, de "António Miranda")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Terça-feira, 29 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Tristan Corbière

.

Cris d'aveugle - Tristan Corbière :

.

 

.


Grito do Cego :

O olho morto não morreu
Ainda mais a fenda cresceu
Pregado, estou sem caixão
No olho um prego então
O olho morto não morreu
Ainda mais a fenda cresceu

Deus misericors
Deus misericors
O martelo me prega à cruz
O martelo que fará a cruz
Deus misericors
Deus misericors


As aves agourentas
Sobre o meu corpo em tormentas
Meu Gólgota não findou
"Por que, por que me abandonou?"
Pombas da Morte agourentas
Sobre o meu corpo, sedentas.

Lamma, lamma sabachtani?
Lamma, lamma sabachtani?

Rubra, aberta à mostra
A ferida está exposta
Como gengiva doente
De uma velha sem dente
A ferida está exposta
rubra, abertura à mostra

 


Vejo círculos dourados
O sol tem me devorado
Tenho dois furos internos
Rubros da forja do inferno
Vejo círculos dourados
O fogo tem me devorado

Do âmago me esvai
Uma lágrima que sai
Vejo dentro do paraíso
Miserere de profundis
De meu crânio se esvai
Em prantos que sai

Bem-aventurados os mortos
Salvos dormem os mortos
Felizes os mártires, eleitos
À Virgem e à Jesus afeitos
Ó bem-aventurado o morto
Julgado dorme o morto

 


Um cavaleiro lá fora
Repousa, sem remorsos, agora
Em um cemitério bendito
Em um sono de granito
Homem de pedra lá fora
Olhos sem remorso agora.

Ó ainda sinto com ardor
Searas amarelas d'Amor
Sinto o rosário em minha mão
E Cristo em sua crucifixão
Ainda pasmo com fervor
Ó céu defunto d'Amor.

Perdoe-me rezar tão forte
Senhor, eis a minha sorte
Meus olhos, pias ardentes
O diabo furou insolente
Perdoe-me gritar tão forte
Senhor, contra a minha sorte
Posso ouvir o vento do norte
Uma buzina num acorde
Eis o clamor dos finados
É meu o ladrar angustiado
Posso ouvir o vento do norte
Posso ouvir dos sinos o acorde


trad. leonardo de magalhaens
.
(retirado, com a devida vénia, de "Leitura e Escrita e Traduções")
publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 28 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Mário Dionísio

.

MÁRIO DIONÍSIO :

.

 

.

uma mulher quase nova :

.

uma mulher quase nova 
com um vestido quase branco 
numa tarde quase clara 
com os olhos quase secos 

vem e quase estende os dedos 
ao sonho quase possível 
quase fresca se liberta 
do desespero quase morto 

quase harmónica corrida 
enche o espaço quase alegre 
de cabelos quase soltos 
transparente quase solta 

o riso quase bastante 
quase músculo florido 
deste instante quase novo 
quase vivo quase agora

.

(retirado, com a devida vénia, de "As Tormentas")


publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Domingo, 27 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Annie Vivanti

.

Annie Vivanti :

.


.
RETORNO :
.
lo he vuelto a ver-'-' 
Volando le salieron al encuentro, 
en alegre tropel, mis sueños y ansias, 
como alondras de plumas palpitantes, 
ruiseñores o inquietas golondrinas 
batiendo el ala trémula en sus cantos. 
En torno suyo mi ilusión volaba... 
Lo he vuelto a ver-'-' 
No acerté a darle el parabién siquiera: 
Pálida y yerta le miré a la cara, 
en éxtasis la vista, el labio mudo. 
Quizás él mismo en mi rostro adivinara 
el resplandor de un gozo sin medida 
porque, sin decir nada, abrió los brazos... 
Lo he vuelto a ver-'-' 
.
(Traducción de Andrés Sobejano)
.
(retirado, com a devida vénia, de "Digitum")
publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Sábado, 26 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Garcilaso de la Vega

.

 Garcilaso de la Vega :

.

.

 

Soneto V - (Escrito está en mi alma vuestro gesto...) :

Escrito está en mi alma vuestro gesto
y cuanto yo escribir de vos deseo;
vos sola lo escribistes, yo lo leo
tan solo, que aun de vos me guardo en esto.

En esto estoy y estaré siempre puesto;
que aunque no cabe en mí cuanto en vos veo,
de tanto bien lo que no entiendo creo,
tomando ya la fe por presupuesto.

Yo no nací sino para quereros;
mi alma os ha cortado a su medida;
por hábito del alma misma os quiero;

cuanto tengo confieso yo deberos;
por vos nací, por vos tengo la vida,
por vos he de morir y por vos muero.

.

(retirado, com a devida vénia, de "a media voz") 

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 25 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Samuel Taylor Coleridge

.

Samuel Taylor Coleridge :

.

 

.

Helada a medianoche :

La helada cumple su secreto oficio
sin ayuda del viento. Un búho deja
su chillido en la noche -escucha- inmensa.
Todos descansan ya y me entrego a esa
soledad que propicia el desvarío. 
Tan sólo queda junto a mí, en su cuna,
el reposado sueño de mi hijo.
¡Es tan tranquilo! Tanto que perturba
el pensamiento con su extremo y raro
silencio. ¡Mar, colina y arboleda,
junto a este pueblo! ¡Mar, colina y bosque
con los hechos diarios de la vida,
inaudibles cual sueños! La azul llama
se aquieta en el hogar y ya no tiembla;
sólo esa cinta interrumpe la calma, 
agitándose aún sobre la verja.
Su meneo en la calma de esta escena
le da una semejanza con mi vida,
la toma una amistosa forma cuyo
endeble flamear hace un juguete 
del pensamiento y es interpretada
a su modo por el alma, que busca
en cada cosa espejo de sí misma(...)

.

Versión de Gabriel Insuasti

.

(retirado, com a devida vébnia, de "A media voz")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Jose Rizal

.

Jose Rizal :

.

 

.

Mi Ultimo Adiós :

.

Adiós, Patria adorada, región del sol querida,
Perla del Mar de Oriente, nuestro perdido Eden!
A darte voy alegre la triste mustia vida,
Y fuera más brillante más fresca, más florida,
También por tí la diera, la diera por tu bien.

.

En campos de batalla, luchando con delirio
Otros te dan sus vidas sin dudas, sin pesar;
El sitio nada importa, ciprés, laurel ó lirio,
Cadalso ó campo abierto, combate ó cruel martirio,
Lo mismo es si lo piden la patria y el hogar.

.

Yo muero cuando veo que el cielo se colora
Y al fin anuncia el día tras lóbrego capuz;
Si grana necesitas para teñir tu aurora,
Vierte la sangre mía, derrámala en buen hora
Y dórela un reflejo de su naciente luz.

.

Mis sueños cuando apenas muchacho adolescente,
Mis sueños cuando joven ya lleno de vigor,
Fueron el verte un día, joya del mar de oriente
Secos los negros ojos, alta la tersa frente,
Sin ceño, sin arrugas, sin manchas de rubor.

.

Ensueño de mi vida, mi ardiente vivo anhelo,
Salud te grita el alma que pronto va á partir!
Salud! ah que es hermoso caer por darte vuelo,
Morir por darte vida, morir bajo tu cielo,
Y en tu encantada tierra la eternidad dormir.

.

Si sobre mi sepulcro vieres brotar un día
Entre la espesa yerba sencilla, humilde flor,
Acércala a tus labios y besa al alma mía,
Y sienta yo en mi frente bajo la tumba fría
De tu ternura el soplo, de tu hálito el calor.

.

Deja á la luna verme con luz tranquila y suave;
Deja que el alba envíe su resplandor fugaz,
Deja gemir al viento con su murmullo grave,
Y si desciende y posa sobre mi cruz un ave
Deja que el ave entone su cántico de paz.

.

Deja que el sol ardiendo las lluvias evapore
Y al cielo tornen puras con mi clamor en pos,
Deja que un ser amigo mi fin temprano llore
Y en las serenas tardes cuando por mi alguien ore
Ora también, Oh Patria, por mi descanso á Dios!

.

Ora por todos cuantos murieron sin ventura,
Por cuantos padecieron tormentos sin igual,
Por nuestras pobres madres que gimen su amargura;
Por huérfanos y viudas, por presos en tortura
Y ora por tí que veas tu redención final.

.

Y cuando en noche oscura se envuelva el cementerio
Y solos sólo muertos queden velando allí,
No turbes su reposo, no turbes el misterio
Tal vez acordes oigas de citara ó salterio,
Soy yo, querida Patria, yo que te canto á ti.

.

Y cuando ya mi tumba de todos olvidada
No tenga cruz ni piedra que marquen su lugar,
Deja que la are el hombre, la esparza con la azada,
Y mis cenizas antes que vuelvan á la nada,
El polvo de tu alfombra que vayan á formar.

.

Entonces nada importa me pongas en olvido,
Tu atmósfera, tu espacio, tus valles cruzaré,
Vibrante y limpia nota seré para tu oido,
Aroma, luz, colores, rumor, canto, gemido
Constante repitiendo la esencia de mi fé.

.

Mi Patria idolatrada, dolor de mis dolores,
Querida Filipinas, oye el postrer adiós.
Ahí te dejo todo, mis padres, mis amores.
Voy donde no hay esclavos, verdugos ni opresores,
Donde la fé no mata, donde el que reyna es Dios.

.

Adiós, padres y hermanos, trozos del alma mía,
Amigos de la infancia en el perdido hogar,
Dad gracias que descanso del fatigoso día;
Adiós, dulce extrangera, mi amiga, mi alegria,
Adiós, queridos séres morir es descansar.

.

(retirado, com a devida vénia, de 

spanish 317 spring 2009 )

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Francesco Petrarca

.

Francesco Petrarca :

.

 

.

ITALIA MIA  :


Itália minha, se o falar não vale 
Dessas chagas mortais 
Que o belo corpo assim te dilaceram- 
Praz-me que meus suspiros sejam quais 
Tibre, Arno e Pó esperam. 
Que, grave e triste, aqui, eu me não cale. 
Reitor celeste: ao mal 
Vieste piedoso combater na terra: 
Volta, Senhor, a teu país dilecto. 
Perfeito que és, completo, 
Vê por quão leves causas crua guerra. 
E os peitos a quem cerra 
Marte soberbo e fero, 
Abre-os, ó Pai, desfeitos em doçura, 
Ao som de quanto é vero 
Em minha voz que só de Ti se apura. 

E vós, a quem fortuna o freio há dado 
De terras tão formosas, 
De que a piedade em vós se vai delindo: 
A que vem cá tanto estrangeiro armado? 
Porque é que o verde prado 
De sangue bárbaro se vai tingindo? 
Derros vos iludindo, 
Sois como cegos, pois que amor contais 
Que existe, ou lealdade, em venais peitos. 
Ao imigo sujeitos 
Mais estareis quanto o comprardes mais. 
Ó águas diluviais 
Colhidas em deserto 
Para inundar os nossos campos breves! 
Quem poderá estar certo 
Ao dar a mão a quem tem pés tão leves? 

Bem próvida a natura quando alteou 
Entre nós e os tudescos 
Dos fortes Alpes o limite duro. 
Mas a vontade estulta em gigantescos 
Esforços se empenhou 
E trouxe-os como sarna ao corpo puro 
Ou dentro ao mesmo muro 
Feras selvagens e a virtuosa grei 
Que delas, por melhor, será dolente: 
Sendo isto procedente 
Dessas, ó dor maior, tribos sem lei, 
Às quais, como direi, Mário rasgou o flanco 
Qual a memória inda não stá exangue: 
Quando, no último arranco, 
Águas bebiam que já eram sangue. 

César eu calo, que sangrento o verde 
Pelas encostas fez 
Das veias dels por nosso ferro abertas. 
Ora não sei de que astro a rispidez 
Perante o céu nos perde, 
Se não são culpas vossas mais que certas, 
Vontades tão despertas 
Para gastar do mundo a parte bela. 
De quem será juízo ou é pecado, 
Se o povo desgraçado 
É quem de aflito por vós paga aquela 
Gente que nos flagela, 
E detestável mais, 
Que as almas vende a troco de áureo peso. 
Eu falo pra que ouçais, 
Não por ódio de alguém, ou por desprezo. 

Que mais necessitais que alguém vos prove 
Os bárbaros enganos 
Que alçando os dedos com a morte brinquem? 
Pior é a tortura do que o são os danos. 
E o vosso sangue chove 
Mais amplamente em ódios que vos trinquem. 
No madrugar se afinquem 
Os vossos pensamentos: vereis claro 
Quem será caro a quem se tem por vil. 
Nosso sangue gentil 
É derramado por um esforço ignaro. 
Fazeis ídolo raro 
De um nome sem sentido: 
Que o furor desta gente só repousa 
No seu pensar perdido: 
Pecado é nosso e não natural cousa. 

Esta terra não é que andei primeiro? 
Não é este o meu ninho 
Em que criado fui tão docemente? 
Pátria não é da fé e do carinho, 
A madre em cujo seio 
Dorme quem me gerou, foi meu parente? 
Por Deus, que a vossa mente 
Disto se mova, e pios contempleis 
As lágrimas do povo doloroso 
Que só de vós repouso 
Ainda espera: e quanto vos mostreis 
Que para el viveis, logo contra o furor 
Das armas tomará em fúria absorto, 
Pois que o antigo valor 
No coração da Itália não está morto. 

Mirai, senhors, como o tempo voa 
E foge a doce vida 
E a morte espreita já por sobre o ombro. 
Estais ora aqui: pensai nessa partida, 
Quando alma nua aproa, 
E solitária, ao duvidoso assombro. 
Cruzando neste combro 
Deveis depor no val ódios malignos, 
Os ars contrários à vida serena; 
E se o tempo em dar pena 
Aos outros vós gastais que a actos mais dignos 
Ou das mãos ou dos signos, O vosso ser se entregue 
E a mais honesto estudo se converta. Que a vida aqui sossegue 
E que a celeste estrada seja aberta. 
Canção, tuas razões 
Discretamente e com cautela digas, 
Pois que te hás-de ir por entre altiva gente que é presa por demente 
De usanças miseráveis, tão antigas, Do vero sempre imigas. Entrega teus apelos 
Aos animosos poucos que o bem praz. E, se puders movê-los, 
A eles grita, como eu grito: Paz! 

(Tradução de Jorge de Sena) 

.

(Retirado, com a devida vénia, de "As Tormentas")


publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Outubro de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Reinaldo Arenas

.

Reinaldo Arenas :

.

 

.

Sou esse menino desagradável,
sem dúvida inoportuno,
de cara redonda e suja,
que fica nos faróis,
onde as grandes damas tão bem iluminadas,
ou onde as meninas que parecem levitar,
projetam o insulto de suas caras redondas e sujas.

Sou uma criança solitária,
que o insulta como uma criança solitária,
e o avisa:
se por hipocrisia você tocar na minha cabeça,
aproveitarei a chance para roubar-lhe a carteira.

Sou aquela criança de sempre,
que provoca terror,
por iminente lepra,
iminentes pulgas, ofensas,
demônios e crime iminente.

Sou aquela criança repugnante,
que improvisa uma cama de papelão
E espera, na certeza,
que você me acompanhará.

.

(retirado, com a devida vénia, de "Factível")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
17


29
30
31


.posts recentes

. Quiz XLVIII

. Quiz XLVII

. Quiz XLVI

. Quiz XLV

. Quiz LIV

. Quiz LIII

. Quiz LII

. Quiz LI

. Quiz L

. Quiz XLIX

.arquivos

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub