Sábado, 31 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Francisco Gomes de Amorim

.

A AMIZADE - Francisco Gomes de Amorim :

.

.

Como as plantas melindrosas
A amizade quer cultura:
Se não, faz-se como as rosas,
Quando perdem a frescura.

Nasce e cresce lentamente;
Devagar, deita raízes;
Mas, depois de bem frondente,
Como abriga os infelizes!...

Quanto mais velha mais bela,
Se foi sempre sem mudança;
E livrar que, à sombra dela,
Possa haver desconfiança.

A suspeita_ mal terrível!
Quando a vê, lhe abre o jazigo.
E nada mais detestável
Que o sorrir de um falso amigo.

Corações bem cristalinos
É onde ela robustece,
Onde dá frutos divinos,
Onde a flor jamais perece.

E criada em peito amante,
Mais que amor deve ser cara,
Pois se é raro o amor constante
A amizade ainda é mais rara.
.
(retirado, com a devida vénia, de "rumor de asas")
publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 30 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Ted Hughes

.

"Last Letter" - Ted Hughes :

.

 

.

A última carta :

.

(tradução e notas de Marcus Salgado)

O que aconteceu naquela noite? Tua última noite.

Dupla, tripla exposição (1)

De tudo. Viva eu te vi pela última vez

No cair da tarde de sexta-feira

A queimar no cinzeiro com um estranho sorriso

A carta a mim endereçada. Atrapalhei teus planos?

A surpresa chegou antes do previsto?

Minha resposta foi rápida demais?

Uma hora mais tarde e terias rumado

Para onde eu não te pudesse encontrar

E eu teria me afastado de tua porta fechada e vermelha

A que ninguém abriria

Com tua carta na mão,

Um raio que não conseguiu chegar à terra.

Isso para mim teria sido um tratamento de choque

Que se repetiria durante todo o final de semana

Quando eu a lesse ou nela simplesmente pensasse.

Isso teria reordenado meu pensamento e minha vida

O tratamento que planejavas necessitava de tempo

Não posso imaginar como

Teria suportado aquele fim de semana.

Não posso imaginar. Tinhas já tudo planejado?

Tua mensagem chegou bem depressa até mim – no mesmo dia,

Sexta à tarde, postada pela manhã.

Expediram-na os demônios que sempre prevalecem

Esse foi mais um dos lances de má sorte

Que contra ti cometeu o correio

E que se acrescentou a teu fardo. Saí rapidamente pela neve

Já azulada em fevereiro. Anoitecia em Londres.

Chorei de alívio quando abriste a porta.

Confusão de enigmas em solução. Lágrimas precoces

Que não pude interpretar, que fracassaram ao comunicar

Sua verdadeira importância. Porém, o que disseste

Sobre as cinzas ainda fumegantes dessa carta

Destruída com tanto cuidado, com tanta calma,

Permitiu que eu partisse, que eu te deixasse

Para soprares as cinzas de teu plano, do cinzeiro

Sobre o qual te debruçarias para que eu lesse 

O número de telefone do médico

.

1 Na linguagem fotográfica chama-se dupla ou tripla exposição quando a película é exposta, mais de uma vez, a imagens diferentes, que se sobrepõem. Trata-se de efeito artístico que gera uma aura fantasmagórica na fotografia. [N. do T.]

.

(retirado, com a devida vénia, de "Academia Brasileira de Letras")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Haroldo de Campos

.

Circuladô de Fulô - Haroldo de Campos  :

.

 

.

 

circuladô de fulô ao deus ao demodará que deus te guie
porque eu não posso guiá eviva quem já me deu circuladô de
fulô e ainda quem falta me dá


soando como um shamisen e feito apenas com um arame
tenso um cabo e uma lata velha num fim de festafeira no
pino do sol a pino mas para outros não existia aquela música
não podia porque não podia popular aquela música se não
canta não é popular se não afina não tintina não tarantina e
no entanto puxada na tripa da miséria na tripa tensa da mais
megera miséria física e doendo doendo como um prego
na palma da mão um ferrugem prego cego na
palma espalma da mão coração exposto como um nervo
tenso retenso um renegro prego cego durando na palma
polpa da mão ao sol


[circuladô de fulô ao deus ao demodará que deus te guie
porque eu não posso guiá eviva quem já me deu
circuladô de fulô e ainda quem falta me dá]

 


o povo é o inventalínguas na malícia da maestria no matreiro
da maravilha no visgo do improviso tenteando a travessia
azeitava o eixo do sol

 

[circuladô de fulô ao deus ao demodará que deus te guie
porque eu não posso guiá eviva quem já me deu
circuladô de fulô e ainda quem falta me dá]

 


e não peça que eu te guie não peça despeça que eu te guie
desguie que eu te peça promessa que eu te fie me deixe
me esqueça me largue me desamargue que no fim eu acerto que
no fim eu reverto que no fim eu conserto e para o fim me
reservo e se verá que estou certo e se verá que tem jeito e se
verá que está feito que pelo torto fiz direito que quem faz
cesto faz cento se não guio não lamento pois o mestre que
me ensinou já não dá ensinamento


[circuladô de fulô ao deus ao demodará que deus te guie
porque eu não posso guiá eviva quem já me deu
]

.

(retirado, com a devida vénia, de "Vicio da Poesia")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Guy de Maupassant

.

Guy de Maupassant :

.

 

.

TERROR :

.

(tradução de Leandro Calle)

A cierto autor leía hasta muy tarde
era ya media noche y tuve miedo.
¿Miedo de qué ?, no sé, pero fue horrible.
Presentí entre jadeos y estertores
Que pronto iba a pasar algo terrible...
Detrás de mí, creí sentir entonces
una rara presencia a mis espaldas
con una risa atroz y muy nerviosa :
mas no escuchaba nada, ¡Qué tortura !
Sentir que alguien tocaba mis cabellos,
con su mano llegando hasta mi hombro,
sentir que iba a morir si lo escuchaba.
Cada vez más cercano se inclinaba
y yo para salvarme no quería
dar vuelta mi cabeza, ni moverme...
Giraban con horror mis pensamientos
como aves en un cielo de tormenta,
un sudor frío congelaba el cuerpo
y en aquel cuarto sólo se escuchaba
castañetear mis dientes atrozmente.  

.

Y de repente se escuchó un crujido
y di un grito de horror enloquecido
como nunca se oyó salir de un pecho,
para caer de espaldas, yerto y tieso.

.

(retirado, com a devida vénia, de IES A Xunqueira I)

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Guerra Junqueiro

.

A LÁGRIMA - GUERRA JUNQUEIRO :

.

 

.

Manhã de Junho ardente. Uma encosta escavada, 
Sêca, deserta e nua, à beira d'uma estrada. 
Terra ingrata, onde a urze a custo desabrocha, 
Bebendo o sol, comendo o pó, mordendo a rocha.

.

Sôbre uma folha hostil duma figueira brava, 
Mendiga que se nutre a pedregulho e lava,

.

A aurora desprendeu, compassiva e divina, 
Uma lágrima etérea, enorme e cristalina.

.

Lágrima tão ideal, tão límpida, que ao vê-la, 
De perto era um diamante e de longe uma estrêla.

.

Passa um rei com o seu cortejo de espavento, 
Elmos, lanças, clarins, trinta pendões ao vento.

.

- "No meu diadema, disse o rei, quedando a olhar, 
Há safiras sem conta e brilhantes sem par,

.

"Há rubins orientais, sangrentos e doirados, 
Como beijos d'amor, a arder, cristalizados.

.

"Há pérolas que são gotas de mágua imensa, 
Que a lua chora e verte, e o mar gela e condensa.

.

"Pois, brilhantes, rubins e pérolas de Ofir, 
Tudo isso eu dou, e vem, ó lágrima, fulgir

.

"Nesta c'roa orgulhosa, olímpica, suprema, 
Vendo o Globo a teus pés do alto do teu diadema!"

.

E a lágrima deleste, ingénua e luminosa, 
Ouviu, sorriu, tremeu, e quedou silenciosa.

.

Couraçado de ferro, épico e deslumbrante, 
Passa no seu ginete um cavaleiro andante.

.

E o cavaleiro diz à lágrima irisada: 
"Vem brilhar, por Jesus, na cruz da minha espada!

.

"Far-te hei relampejar, de vitória em vitória, 
Na Terra Santa, à luz da Fé, ao sol da Glória!

.

"E à volta há-de guardar-te a minha noiva, ó astro, 
Em seu colo auroreal de rosa e de alabastro.

.

"E assim alumiarás com teu vivo esplendor 
Mil combates de heróis e mil sonhos d'amor!"

.

E a lágrima celeste, ingénua e luminosa, 
Ouviu, sorriu, tremeu e quedou silenciosa.

.

Montado numa mula escura, de caminho, 
Passa um velho judeu, avarento e mesquinho.

.

Mulas de carga atrás levavam-lhe o tesoiro: 
Grandes arcas de cedro, abarrotadas d'oiro.

.

E o velhinho andrajoso e magro como um junco, 
O crânio calvo, o olhar febril, o bico adunco,

.

Vendo a estrêla, exclamou: "Oh Deus, que maravilha! 
Como ela resplandece, e tremeluz, e brilha!

.

"Com meu oiro em montão podiam-se comprar 
Os impérios dos reis e os navios do mar,

.

"E por esse diamante esplêndido trocara 
Todo o meu oiro imenso a minha mão avara!"

.

E a lágrima celeste, ingénua e luminosa, 
Ouviu, sorriu, tremeu, e quedou silenciosa.

.

Debaixo da figueira, então, um cardo agreste, 
Já ressequido, disse à lágrima celeste:

.

"A terra onde o lilaz e a balsamina medra 
Para mim teve sempre um coração de pedra.

.

"Se a queixar-me, ergo ao céu os braços por acaso, 
O céu manda-me em paga o fogo em que me abraso.

.

"Nunca junto de mim, ulcerado de espinhos, 
Ouvi trinar, gorgear a música dos ninhos.

.

"Nunca junto de mim ranchos de namoradas 
Debandaram, cantando, em noites estreladas...

.

"Voa a ave no azul e passa longe o amor, 
Porque ai! Nunca dei sombra e nunca tive flor!...

.

"Ó lágrima de Deus, ó astro, ó gota d'água, 
Cai na desolação desta infinita mágoa!"

.

E a lágrima celeste, ingénua e luminosa, 
Tremeu, tremeu, tremeu... e caíu silenciosa!...

.

E algum tempo depois o triste cardo exangue, 
Reverdecendo, dava uma flor côr de sangue,

.

Dum roxo macerado, e dorido, e desfeito, 
Como as chagas que tem Nosso Senhor no peito...

.

E ao cálix virginal da pobre flor vermelha 
Ia buscar, zumbindo, o mel doirado a abelha!...

.

(retirado, com a devida vénia, de FM Poesias)

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - . Bertolt Brecht

.

Bertolt Brecht :

.

 

.

Canção da Inocência Perdida :

.



O que a minha mãe dizia 
Não pode ser bem verdade: 
Que uma vez emporcalhada 
Nunca passa a sujidade. 
       Se isto não vale pra a roupa 
       Também não vale pra mim. 
       Que o rio lhe passe por cima 
       Breve fica branca, assim. 



Como qualquer pataqueira 
Aos onze anos já pecava. 
Mas só ao fazer catorze 
O meu corpo castigava. 
       A roupa já estava parda, 
       No rio a fui mergulhar. 
       No cesto está virginal 
       C'mo sem ninguém lhe tocar. 



Sem ter conhecido algum 
Já eu tinha escorregado. 
Fedia aos Céus, como uma 
Babilónia de pecado. 
       A roupa branca no rio 
       Enxaguada à roda, à roda, 
       Sente que as ondas a beijam: 
       «Volta-me a brancura toda». 



Quando o primeiro me amou 
Abracei-o eu também. 
Senti no ventre e no peito 
Ir-se a maldade pra além. 
       Assim acontece à roupa 
       E a mim acontecerá. 
       A água corre depressa, 
       Sujidade diz: Vem cá! 



Mas quando os outros vieram 
Um ano mau começou. 
Chamaram-me nomes feios, 
Coisa feia agora sou. 
       Com poupanças e jejuns 
       Nenhuma mulher se acalma. 
       Roupa guardada na arca, 
       Na arca se não faz alva. 



E veio depois um outro 
No ano que se seguiu. 
Vi que me fazia outra 
Com o tempo que fugiu. 
       Mete-a na água e sacode-a! 
       Há sol, cloreto e vento! 
       Usa-a, dá-a de presente: 
       Fica fresquinha a contento. 



Bem sei: Muito pode vir 
'Té que nada por fim. fica. 
Só quando ninguém a usa 
A roupa se sacrifica. 
       E uma vez que apodreça 
       Nenhum rio a embranquece. 
       Leva-a consigo em farrapos. 
       Um dia assim te acontece. 
.(retirado, com a devida vénia, de "Citador")


 

 :

.


 

.

Canção da Inocência Perdida :

O que a minha mãe dizia 
Não pode ser bem verdade: 
Que uma vez emporcalhada 
Nunca passa a sujidade. 
       Se isto não vale pra a roupa 
       Também não vale pra mim. 
       Que o rio lhe passe por cima 
       Breve fica branca, assim. 



Como qualquer pataqueira 
Aos onze anos já pecava. 
Mas só ao fazer catorze 
O meu corpo castigava. 
       A roupa já estava parda, 
       No rio a fui mergulhar. 
       No cesto está virginal 
       C'mo sem ninguém lhe tocar. 



Sem ter conhecido algum 
Já eu tinha escorregado. 
Fedia aos Céus, como uma 
Babilónia de pecado. 
       A roupa branca no rio 
       Enxaguada à roda, à roda, 
       Sente que as ondas a beijam: 
       «Volta-me a brancura toda». 



Quando o primeiro me amou 
Abracei-o eu também. 
Senti no ventre e no peito 
Ir-se a maldade pra além. 
       Assim acontece à roupa 
       E a mim acontecerá. 
       A água corre depressa, 
       Sujidade diz: Vem cá! 



Mas quando os outros vieram 
Um ano mau começou. 
Chamaram-me nomes feios, 
Coisa feia agora sou. 
       Com poupanças e jejuns 
       Nenhuma mulher se acalma. 
       Roupa guardada na arca, 
       Na arca se não faz alva. 



E veio depois um outro 
No ano que se seguiu. 
Vi que me fazia outra 
Com o tempo que fugiu. 
       Mete-a na água e sacode-a! 
       Há sol, cloreto e vento! 
       Usa-a, dá-a de presente: 
       Fica fresquinha a contento. 



Bem sei: Muito pode vir 
'Té que nada por fim. fica. 
Só quando ninguém a usa 
A roupa se sacrifica. 
       E uma vez que apodreça 
       Nenhum rio a embranquece. 
       Leva-a consigo em farrapos. 
       Um dia assim te acontece. 
.(retirado, com a devida vénia, de "Citador")


 

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Domingo, 25 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Castro Alves

.

CASTRO ALVES :

.

 

.

As tres irmas do poeta :

É Noite! as sombras correm nebulosas.
Vão três pálidas virgens silenciosas
Através da procela irrequieta.
Vão três pálidas virgens... vão sombrias
Rindo colar num beijo as bocas frias...


Na fronte cismadora do Poeta:
"Saúde, irmão! Eu sou a Indiferença.
Sou eu quem te sepulta a idéia imensa,
Quem no teu nome a escuridão projeta...
Fui eu que te vesti do meu sudário...
Que vais fazer tão triste e solitário?..."


- "Eu lutarei!" - responde-lhe o Poeta.
"Saúde, meu irmão! Eu sou a Fome.
Sou eu quem o teu negro pão consome...
O teu mísero pão, mísero atleta!
Hoje, amanhã, depois... depois (qu'importa?)
Virei sempre sentar-me à tua porta..."


-"Eu sofrerei"-responde-lhe o Poeta.
"Saúde, meu irmão! Eu sou a Morte.
Suspende em meio o hino augusto e forte.
Marquei-te a fronte, mísero profeta!
Volve ao nada! Não sentes neste enleio
Teu cântico gelar-se no meu seio?!"
-"Eu cantarei no céu" - diz-lhe o Poeta!

.

(retirado, com a devida vénia, de "Pensador")


publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Sábado, 24 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Matthias Claudius


.

Matthias Claudius :

.

.

 

 

O Amor :

.

(trad. Geir Campos)

.

O Amor, nada o detém:
Não tem porta nem trinco,
Tudo ele vence e vaza.
Sem princípio, bateu
E eternamente bate
Suas eternas asas.
.
(retirado, com a devida vénia, de "Amor Através do Tempo")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Fagundes Varela

.

Fagundes Varela :

.

.

Ideal :

Não és tu quem eu amo, não és! 
Nem Teresa também, nem Ciprina; 
Nem Mercedes a loira, nem mesmo 
A travessa e gentil Valentina. 

Quem eu amo te digo, está longe; 
Lá nas terras do império chinês, 
Num palácio de louça vermelha 
Sobre um trono de azul japonês. 

Tem a cútis mais fina e brilhante 
Que as bandejas de cobre luzido; 
Uns olhinhos de amêndoa, voltados, 
Um nariz pequenino e torcido. 

Tem uns pés... oh! que pés, Santo Deus! 
Mais mimosos que uns pés de criança, 
Uma trança de seda e tão longa 
Que a barriga das pernas alcança. 

Não és tu quem eu amo, nem Laura, 
Nem Mercedes, nem Lúcia, já vês; 
A mulher que minh'alma idolatra 
É princesa do império chinês. 

.

(retirado, com a devida vénia, de "As Tormentas")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Agosto de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Hermann Hesse

.

Hermann Hesse  :

.

 

 

 

.


 

Neblina :

.

(trad.de Álvaro Cabral)

.
Estranho é caminhar na densa névoa:
Solitária esta cada planta ou pedra,
Nenhum arbusto enxerga o seu vizinho,
Cada um está só.
Cheio de amigos era, para mim, o mundo
Quando luminosa ‘inda era minha vida;
Agora que a névoa caiu,
Ninguém mais é visível.

Não é deveras um sábio
Quem não conhece a escuridão
Que, suavemente, nos separa
De tudo inexorável.

Estranho é caminhar na densa névoa:
Viver é estar solitário
Entre gente que se ignora.
Todos estamos sós!
.

(retirado, com a devida vénia, de "Luso Poemas")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
17


29
30
31


.posts recentes

. Quiz XLVIII

. Quiz XLVII

. Quiz XLVI

. Quiz XLV

. Quiz LIV

. Quiz LIII

. Quiz LII

. Quiz LI

. Quiz L

. Quiz XLIX

.arquivos

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub