Quarta-feira, 31 de Julho de 2013

Um Pensamento por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Ralph Waldo Emerson

.

 

.


.


Acredita no teu próprio Pensamento :

.

Acredita no teu próprio pensamento; crer que o que é certo para ti, no teu coração, o é também para todos os homens - isso é o génio. Expressa a tua convicção latente e ela será o juízo universal; pois sempre o mais íntimo se converte no mais externo, e o nosso primeiro pensamento é-nos devolvido pelas trombetas do Juízo Final. A voz da mente é familiar a cada um; o maior mérito que atribuímos a Moisés, Platão e Milton é o de terem reduzido a nada livros e tradições, e dito o que pensavam eles próprios, não o que pensavam os homens. Um homem deveria aprender a distinguir e contemplar esse raio de luz que brilha através da sua mente, vindo do interior, melhor do que o brilho do firmamento de bardos e sábios. E, no entanto, expulsa o seu pensamento, sem lhe dar importância, apenas porque é o seu.

Em toda a obra de génio, reconhecemos os nossos próprios pensamentos rejeitados; são-nos devolvidos com uma certa majestade alienada. As grandes obras de arte não nos oferecem lição mais impressionante do que essa. Elas ensinam-nos a aceitar, com bem humorada inflexibilidade, as nossas impressões espontâneas, especialmente quando todo o clamor das vozes esteja do lado oposto. Senão, um estranho dirá amanhã, com magistral bom senso, precisamente aquilo que pensamos e sentimos todo o tempo, e seremos forçados a receber de outrem, envergonhados, a nossa própria opinião.
.
(retirado, com a devida vénia, de "Citador")
publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Jacinto Benavente

.

Jacinto Benavente :

.

.

.

Monólogo del ladrón de sueños :


La noche es mi reino, y en la noche las almas, al sumergirse en el profundo mar del sueño, entre sus sombras, exploran la verdad de su vida, como los submarinos al sumergirse bajo las aguas turbulentas observan más seguros la ruta de los barcos sobre ellas navegantes. Y en este reino de la noche, poblado de almas en letargo, soy el Ladrón de los Sueños, minador de luz, captador de verdades, tesoros que los hombres, más cobardes que avaros, ocultan y guardan hasta de sí mismos, sin pararse a contarlos, sin querer saber sobre ellos, aunque yo los muestre a sus ojos, más cerrados despiertos que dormidos. Como en las noches de la ciudad, de calle en calle va el farolero rasgando la oscuridad con pinchazos de luz, así yo por la ciudad de los sueños rasgo de claridad las almas que, a la luz de sus sueños, pudieran conocerse y saber de sí mismas si al despertar no fuera para ellas caer en sueño más profundo: el de no querer saber nunca la verdad de su vida. Hoy se ha entrado la ciencia por mis dominios con gran aparato investigador; mas, como siempre, antes que los hombres de ciencia supieron los poetas las verdades del misterioso abismo de mi reino. Como los cuerpos, para su descanso, se desnudan de vestiduras  al acostarse, también al dormir para soñar se desnudan las almas, y si pudieran así hablar  y entenderse unas con otras, nadie se engañaría en la vida. Una mujer y un hombre van a hablarse así ahora, sin saber ellos mismos que hablan ellos, desnudas sus almas en la desnuda verdad de sus deseos. Al despertar lo habrán olvidado todo; volverán al engaño, a la mentira, entre sospechas y traiciones, entre miedos y sombras. Animador de luz, captador de verdades, la noche es mi reino; soy el Ladrón de los Sueños.
.

(retirado, com a devida vénia, do blog "Palabra Virtual")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Allen Ginsberg

.

Allen Ginsberg :

.

.

Sutra do Girassol :

 

(tradução de Tomaz Amorim Izabel) 

.

Eu caminhava às margens da doca de latão onde se descarregavam bananas e
me sentei sob a sombra gigante de uma locomotiva da Southern
Pacific para olhar o pôr-do-sol sobre os
morros de casinhas em forma de caixas e chorar.
Jack Kerouac, companhia, sentou-se do meu lado em uma coluna de ferro arrebentada
e enferrujada, pensamos as mesmas coisas
sobre a alma, desolada e azul e de olhos tristes,
cercada pelas raízes de aço cheias de nós das árvores de
maquinaria.
A água oleosa no rio espelhava o céu vermelho, sol
mergulhado no topo dos últimos picos de São Francisco, sem peixe
naquele rio, sem ermitão naqueles montes, apenas nós
olhos marejados e ressaca como velhos vagabundos
na beira do rio, cansados e astutos.
Olhe o Girassol, ele disse, tinha uma sombra cinza
e morta contra o céu, grande como um homem, sentada
seca sobre uma pilha antiga de serragem -
eu corri encantado – era meu primeiro girassol,
memórias de Blake – minhas visões – o Harlem
e Infernos dos rios do leste, pontes retinindo sanduíches
do Joe Greasy, carrinhos de bebês mortos, pneus
carecas esquecidos e não recauchutados, o
poema da beira do rio, camisinhas e vasos, facas
de aço, nada inoxidável, só a nojeira úmida
e os artefatos afiados se afundando no
passado -
e o Girassol cinza se equilibra contra o pôr-do-sol,
desolação que quebra e poeirenta com a fuligem e a fumaça
e a poluição de locomotivas velhas em seu olho -
corola de espinhos embaçados decaídos e quebrados como
uma coroa espancada, sementes caídas de seu rosto,
boca quase desdentada de ar cheio de sol, raios de sol
obliterados em sua cabeça cabeluda como um arame
teia seca de aranha,
folhas esticadas como braços saindo do tronco, gestos
vindos da raiz de serragem, pedaços quebrados de gesso
caídos de galhos negros, uma mosca negra em seu ouvido,
Profana coisa espancada era você, meu girassol, oh
minha alma, eu te amava tanto então!
O lodo não era lodo de gente, mas morte e locomotivas
humanas,
toda aquele vestido de poeira, aquele véu de pele escurecida
em ferrovias, aquela poluição do rosto, aquelas pálpebras de
miséria negra, aquela mão de fuligem ou falo ou protuberância
artificial de algo mais que sujo – industrial -
moderno – toda aquela civilização manchando sua
louca coroa dourada -
e aqueles pensamentos lacrimejantes de morte e insensíveis
e empoeirados olhos e fins e raízes murchas no fundo, na
pilha natal de areia e serragem, notas de dólar
de borracha, pele de maquinaria, as entranhas e interiores
do carro que chora e tosse, as vazias e solitárias
latas com suas línguas enferrujadas, ai, o que
mais posso eu nomear, as cinzas fumadas de algum
charuto de pinto, as bucetas de carrinhos de mão e
os seios leitosos de carros, cus arrombados de cadeiras
e esfíncteres de dínamos – todos estes
emaranhados em suas raízes mumificadas – e você lá
em pé na minha frente durante o pôr-do-sol, toda a sua glória
em sua forma!
Uma beleza perfeita de um girassol! Uma perfeita, excepcional
e amável existência de girassol! Um doce olho natural
para a nova lua sensual, acordou vivo e excitado
agarrado na sombra do poente nascente mensal
brisa dourada!
Quantas moscas zumbiram inocente ao redor do seu
lodo enquanto você amaldiçoava os céus das
ferrovias e sua alma floral?
Pobre flor morta? quando você se esqueceu de que era uma
flor? quando você olhou para sua pele e
decidiu que você era uma velha locomotiva suja e impotente?
o fantasma de uma locomotiva? o espectro e
a sombra de uma outrora poderosa locomotiva americana?
Você nunca foi locomotiva alguma, Girassol, você foi um
girassol!
E você locomotiva, você é uma locomotiva, não me
esqueça!
Então eu apanhei o espesso esqueleto do girassol e o enfiei
ao meu lado como um cetro,
e profira o sermão à minha alma, à alma de Jack
também e para qualquer que o ouça,
- Nós não somos nossa pele de lodo, nós não somos nossa pavorosa
desolada enferrujada locomotiva sem imagem, nós somos todos
lindos girassóis dourados por dentro, nós somos abençoados
por nossa própria semente e loiros corpos
completos crescendo tornando-se loucos girassóis
formais e negros no pôr-do-sol, espionados por nossos
olhos sob a sombra da louca locomotiva
beira do rio pôr-do-sol São Francisco tarde montanhosa de latão
vendo tudo sentado.

.

(retirado, com a devida vénia, do blog "Tradução Literária")

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Domingo, 28 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Ronaldo Cunha Lima

.

Ronaldo Cunha Lima :

.

.

.
"Eu amo uma mulher
que não existe.
Mas a vejo sempre,
conversamos muito
e lhe quero bem.
Tem muitas faces,
não sei seu nome
e, se nome tem.
Só sei que quando
eu estou triste,
ela então existe
e de repente vem
confortar-me a alma,
trazer-me calma
e me fazer bem.
E a quem me indaga:
- Que forma vaga
de amar alguém?
Eu nada escondo
e então respondo
como convém:
- É meu coração,
na solidão,
sem ter ninguém."
.
(retirado, com a devida vénia, de "Pensador.Info")
publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Sábado, 27 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Hermann Hesse

.

Hermann Hesse :

.

.


.


No Castelo de Bremgarten :

Quem um dia plantou os velhos castanheiros,
quem um dia bebeu a água a esguichar da fonte,
quem um dia dançou no salão enfeitado
- foram-se todos, esquecidos e enterrados.

Hoje é a nossa vez: para nós brilha o dia
e cantam para nós alegres passarinhos,
sentamo-nos à mesa e sob a luz das velas
brindamos ao dia que é para nós eterno.

Quando nos formos e estivermos esquecidos,
nas árvores altas ainda se há de escutar
o gorjeio do melro e o cântico do vento,
e lá em baixo entre as pedras o rio a espumar.

No vestíbulo, na hora do grito noturno
do pavão, hão de estar aqui outras pessoas:
falarão, louvarão a maravilha da hora,
embandeirados barcos estarão passando,
e o eterno presente há de rir como agora.

.

(retirado, com a devida vénia, do blog "Palavra e Melodia")


publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Luis de Góngora y Argote

.

Luis de Góngora y Argote :

.


.

1

A Córdoba

¡Oh excelso muro, oh torres coronadas
De honor, de majestad, de gallardía!
¡Oh gran río, gran rey de Andalucía,
De arenas nobles, ya que no doradas!

¡Oh fértil llano, oh sierras levantadas,
Que privilegia el cielo y dora el día!
¡Oh siempre glorïosa patria mía,
Tanto por plumas cuanto por espadas!

Si entre aquellas rüinas y despojos
Que enriquece Genil y Dauro baña
Tu memoria no fue alimento mío,

Nunca merezcan mis ausentes ojos
Ver tu muro, tus torres y tu río,
Tu llano y sierra, ¡oh patria, oh flor de España!


2

De la brevedad engañosa de la vida

Menos solicitó veloz saeta
destinada señal, que mordió aguda;
agonal carro por la arena muda
no coronó con más silencio meta,

que presurosa corre, que secreta,
a su fin nuestra edad. A quien lo duda,
fiera que sea de razón desnuda,
cada Sol repetido es un cometa.

¿Confiésalo Cartago, y tú lo ignoras?
Peligro corres, Licio, si porfías
en seguir sombras y abrazar engaños.

Mal te perdonarán a ti las horas:
las horas que limando están los días,
los días que royendo están los años.


3

Inscripción para el sepulcro de Dominico Greco

Esta en forma elegante, oh peregrino,
de pórfido luciente dura llave,
el pincel niega al mundo más süave,
que dio espíritu a leño, vida a lino.

Su nombre, aún de mayor aliento dino
que en los clarines de la Fama cabe,
el campo ilustra de ese mármol grave:
venéralo y prosigue tu camino.

Yace el Griego. Heredó Naturaleza
Arte; y el Arte, estudio; Iris, colores;
Febo, luces -si no sombras, Morfeo-.

Tanta urna, a pesar de su dureza,
lágrimas beba, y cuantos suda olores
corteza funeral de árbol sabeo.


4

De un caminante enfermo que se enamoró donde fue hospedado

Descaminado, enfermo, peregrino,
en tenebrosa noche, con pie incierto
la confusión pisando del desierto,
voces en vano dio, pasos sin tino.

Repetido latir, si no vecino,
distinto, oyó de can siempre despierto,
y en pastoral albergue mal cubierto,
piedad halló, si no halló camino.

Salió el Sol, y entre armiños escondida,
soñolienta beldad con dulce saña
salteó al no bien sano pasajero.

Pagará el hospedaje con la vida;
más le valiera errar en la montaña
que morir de la suerte que yo muero.


5

Mientras por competir con tu cabello,
oro bruñido al sol relumbra en vano;
mientras con menosprecio en medio el llano
mira tu blanca frente el lilio bello;

mientras a cada labio, por cogello,
siguen más ojos que al clavel temprano;
y mientras triunfa con desdén lozano
del luciente cristal tu gentil cuello;

goza cuello, cabello, labio y frente,
antes que lo que fue en tu edad dorada
oro, lilio, clavel, cristal luciente,

no sólo en plata o vïola troncada
se vuelva, mas tú y ello juntamente
en tierra, en humo, en polvo, en sombra, en nada.

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Gyula Kosice

 

.

Gyula Kosice : 

.

.

O quid (essência) a descoberto :

 

Antes começava vendo restos de maresia

bastante bem encaminhado

a oferecer-me a economia do infinito

—estou economizando infinito desde muito tarde—

e entre as coisas ostensivas repetia

“hoje o nada está incógnito”.

 

Mas agora desvio uma virtualidade

que é solidária consigo mesma

um equilíbrio patético

uma história antes mesmo de ser planejada

e não é mais um emissor de vapor e terra

ou mecânica de mar alevantado

nem de duna sutil por agregação do vento

em benefício destilado do oásis

 

Agora é um aflorar das cordas vocais

como se isso fosse esclarecer o temperamento do enigma

como se deveras agisse em torno do alambique

de profunda e atraente vida perimetral

viandante de espaço perolífero te disparei caladamente

elevei meu protesto aos que batem a asa furiosamente a esmo

e ofereço este diafragma aberto a toda solicitude

a todo cálice que torna a detonar o próximo timão

 

Como sair invictos se o por quê é uma coerência que desmascara

o caminho do regresso?

Porque o favo de sílaba é menos improvisado

o sopro do transponto mais usual

a técnica destilatória que borbulha e pule a catástrofe

e as lentes de aproximação.

 

Indagar o de antes e agora é palpar bem às claras

o tição da aurora

atar o mais indesatável

incitar junto à pátina das palmas da mão

ou estalar desta para melhor minha zona de tangência

empurrando sobre as visíveis sendas dos dias ímpares

da suscitação

porque hoje o quid

também força para ficar incógnito

.
(retirado, com a devida vénia, do blog "Antonio Miranda")
publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Valentín Paz Andrade

.

Valentín Paz Andrade :

.

.


PRANTO MATRICIAL :


Na matricial Galiza, sempre túa,

que dende a Torre de Hércules ao Miño

un facho acenderá por cada illa,

cando ti volvas polo mare;

de toxo unha fogueira en cada monte;

cando ti volvas polo mare;

dos castros na coroa unha cachela,

cando ti volvas polo mare;

unha loura candea en cada pino,

cando ti volvas polo mare;

o seu cirio de frouma os alciprestes,

cando ti volvas polo mare;

luces de ardora branca en cada mastro,

cando ti volvas polo mare;

un farol mariñeiro en cada dorna,

cando ti volvas polo mare;

veliñas á xanela en cada casa,

cando ti volvas polo mare;

e as pérolas das bágoas derramadas,

cando ti chegues polo mare;

cando ti chegues polo mare...

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Julho de 2013

Um Pensamento por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Henry David Thoreau

.

Henry David Thoreau :

.

.

Fui a floresta porque queria viver eternamente
E sugar a essência da vida!
Eliminar tudo o que não era vida.
E não, ao morrer, descobrir que não vivi.

A maioria dos homens vive em silêncio desespero.

.
As coisas não mudam; nós é que mudamos.
.
Para cada mil homens dedicados a cortar as folhas do mal, há apenas um atacando as raízes.
publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Julho de 2013

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria - Artur de Azevedo

.

Artur de Azevedo :

.

 


.

Arrufos :

.

Não há no mundo quem amantes visse 
Que se quisessem como nos queremos; 
Mas hoje uma questiúncula tivemos 
Por um caprichosinho, uma tolice. 

— Acabemos com isto! ela me disse, 
E eu respondi-lhe assim: — Pois acabemos! 
— E fiz o que se faz em tais extremos: 
Peguei no meu chapéu com fanfarrice, 

E, dando um gesto de desdém profundo, 
Saí cantarolando. Está bem visto 
Que a forma ali contradizia o fundo. 

Ela escreveu. Voltei. Nem Jesus Cristo, 
Nem minha Mãe, voltando agora ao mundo, 
Foram capazes de acabar com isto! 

.

(retirado, com a devida vénia, de "as tormentas") 

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
17


29
30
31


.posts recentes

. Quiz XLVIII

. Quiz XLVII

. Quiz XLVI

. Quiz XLV

. Quiz LIV

. Quiz LIII

. Quiz LII

. Quiz LI

. Quiz L

. Quiz XLIX

.arquivos

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub