Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

Mateando - Jaime Caetano Braun :

.

.

Meu patrício
Aí foi o mate
Vá chupando despacito
Que é triste matear solito
Quando a velhice nos bate
Por isso, neste arremate
Que chegou no arrepio
Meu velho peito vazio
Que já teve tanta dona
Ressonga que nem cordeona
Nos bailes de rancherio

 

Não é que me falte fibra
Nem firmeza no garrão
Pois meu velho coração
Bem com passado ainda vibra
Quem gastou libra por libra
Da sorte fazendo alarde
Não cala por ser covarde
Nem chora por ser manheiro
Lamenta el sol verdadeiro
Que vai borcando na tarde

 

É a saudade
Essa punilha
Que vai nos roendo canal
Esse caruncho infernal
Que fura até curunilha
É a derradeira tropilha
Da vida martironiada

 

Que chegando ao fim da estrada
Se dá conta num segundo
Que veio e vai deste mundo
Sofrendo a troco de nada

 

É triste matear sozinho
De tarde ou de madrugada
Amargando a paleteada
De algum passado carinho

 

Como dói lembrar o ninho
Que o tempo levou na enchente
Mas porém deixou semente
De tristeza e de amargura
Pra reviver a ternura
De alguém que já foi da gente

 

É por isso meu Patrício
Que não mateio solito
Embora o verde bendito
Pra mim seja mais que vício
É o meu último munício
Que não despenso, nem largo
E peço a Deus
Sem embargo
Da xucreza do meu canto
Que no céu
Me guarde um santo
Parceiro pra um mate amargo

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

The Road Not Taken - Robert Frost :

.

 

.

A estrada não trilhada

 

 

 

Num bosque, em pleno outono, a estrada bifurcou-se,

 

mas, sendo um só, só um caminho eu tomaria.

 

Assim, por longo tempo eu ali me detive,

 

e um deles observei até um longe declive

 

no qual, dobrando, desaparecia...

 

 

 

Porém tomei o outro, igualmente viável,

 

e tendo mesmo um atrativo especial,

 

pois mais ramos possuía e talvez mais capim,

 

embora, quanto a isso, o caminhar, no fim,

 

os tivesse marcado por igual.

 

 

 

E ambos, nessa manhã, jaziam recobertos

 

de folhas que nenhum pisar enegrecera.

 

O primeiro deixei, oh, para um outro dia!

 

E, intuindo que um caminho outro caminho gera,

 

duvidei se algum dia eu voltaria.

 

 

 

Isto eu hei de contar mais tarde, num suspiro,

 

nalgum tempo ou lugar desta jornada extensa:

 

a estrada divergiu naquele bosque – e eu

 

segui pela que mais ínvia me pareceu,

 

e foi o que fez toda a diferença.

.

Tradução de Renato Suttana

publicado por picareta escribante às 07:33
link | comentar | favorito
Domingo, 29 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

A SEGUNDA VINDA - William Butler Yeats

 

 

A girar e a girar, num amplo círculo,

 

O falcão já não ouve o falcoeiro:

 

As coisas desmoronam, sem um centro;

 

Mera anarquia alastra-se no mundo;

 

Cresce uma onda de sangue, e em toda parte

 

Se afoga a cerimônia da inocência;

 

Hesitam os melhores, e os piores

 

Estão cheios de acesa intensidade.

 

 

 

Por certo é próximo um desvelamento;

 

Por certo é próxima a Segunda Vinda.

 

Segunda Vinda! Ah, mal o pronuncio,

 

E vasta imagem do Spiritus Mundi

 

Turva meu olho: algures, no deserto,

 

Uma forma de leão com rosto de homem –

 

Olhar vazio e duro como o sol –

 

As lentas coxas move, enquanto em volta

 

Pairam sombras de pássaros irados.

 

Desce a treva outra vez; mas sei agora

 

Que vinte séculos de um sono pétreo

 

Levou ao pesadelo um simples berço;

 

E, chegada a ocasião, que rude fera

 

Se arrasta até Belém para nascer?

 

.

.

Quando estiveres velha e grisalha, e cabeceares
De sono à beira da lareira, pega este livro,
e lentamente lê, e sonha com a aparência suave
Que tinham outrora teus olhos, e suas sombras densas;

Muitos amaram teus momentos de alegre graça,
e tua beleza, com falso ou vero amor,
Mas um homem amou a alma peregrina em ti,
E as mágoas de teu rosto sempre a mudar.

 

William Butler Yeats

publicado por picareta escribante às 07:26
link | comentar | favorito
Sábado, 28 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

UM POEMA DE LEWIS CARROLL :

.

.

 

ACERTE OU ERRE
(Pares de premissas em busca de conclusões)

Nenhum careca necessita pente;
Nenhum lagarto tem cabelo.

Alfinetes não são ambiciosos;
Agulhas não são alfinetes.

Algumas ostras estão caladas;
Pessoas caladas não são divertidas.

Rãs não escrevem livros;
Algumas pessoas usam tinta para escrever livros.

Certas montanhas são intransponíveis;
Todos os estilos podem ser transponíveis.

Nenhuma lagosta é insensata;
Nenhuma pessoa sensata espera impossibilidades.

Nenhum fóssil pode ser em amor cruzado;
Uma ostra pode ser em amor cruzada.

Um homem prudente evita hienas;
Nenhum banqueiro é imprudente.

Nenhum sovina é altruísta;
Só os sovinas guardam cascas de ovo.

Nenhum militar escreve poesia;
Nenhum general é civil.

Todas as corujas são satisfatórias;
Certas desculpas são insatisfatórias.

Tradução: José Lino Grünewald

publicado por picareta escribante às 07:29
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012

Um Pensamento por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

Pensamentos - William Congreve :

.

.

"A música tem encantos que suavizam o peito mais selvagem, amaciam rochas, inclinam um velho carvalho."
.

" Não adies para amanhã o ser sábio, que o sol de amanhã talvez para ti se não levante. "
.

" Sabemos, por leitura, da existência de um único sábio que afirmava saber apenas que nada sabia. "
.

" Verifico que estamos ficando sérios; por conseguinte, corre­mos o risco de ser néscios. "
.

"A poesia é a irmã mais velha de todas as artes e mãe da maioria delas. "

publicado por picareta escribante às 07:27
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

To a Mouse - Robert Burns :

.

.

Wee, sleekit, cowran, tim'rous beastie,
O, what a panic's in thy breastie!
Thou need na start awa sae hasty,
Wi' bickering brattle!
I wad be laith to rin an' chase thee,
Wi' murd'ring pattle!

I'm truly sorry Man's dominion
Has broken Nature's social union,
An' justifies that ill opinion,
Which makes thee startle,
At me, thy poor, earth-born companion,
An' fellow-mortal!

I doubt na, whyles, but thou may thieve;
What then? poor beastie, thou maun live!
A daimen-icker in a thrave 'S a sma' request:
I'll get a blessin wi' the lave,
An' never miss't!

Thy wee-bit housie, too, in ruin!
It's silly wa's the win's are strewin!
An' naething, now, to big a new ane,
O' foggage green!
An' bleak December's winds ensuin,
Baith snell an' keen!

Thou saw the fields laid bare an' wast,
An' weary Winter comin fast,
An' cozie here, beneath the blast,
Thou thought to dwell,
Till crash! the cruel coulter past
Out thro' thy cell.

That wee-bit heap o' leaves an' stibble,
Has cost thee monie a weary nibble!
Now thou's turn'd out, for a' thy trouble,
But house or hald.
To thole the Winter's sleety dribble,
An' cranreuch cauld!

But Mousie, thou are no thy-lane,
In proving foresight may be vain:
The best laid schemes o' Mice an' Men,
Gang aft agley,
An' lea'e us nought but grief an' pain,
For promis'd joy!

Still, thou art blest, compar'd wi' me!
The present only toucheth thee:
But Och! I backward cast my e'e,
On prospects drear!
An' forward, tho' I canna see,
I guess an' fear!

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

Pequeno Poema - Sandro Penna :

.

"Poeta exclusivo do amor"

me chamaram. E era talvez certo.
Mas o vento aqui sobre a erva e os rumores
da cidade longínqua
não são eles também amor?
Sob nuvens quentes
não são ainda o som
de um amor que arde
e não mais se afasta?

.

Sandro Penna - tradução de David Mourão Ferreira

publicado por picareta escribante às 07:35
link | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

- Antes que seja tarde - Manuel da Fonseca :

.

.

Amigo,
tu que choras uma angústia qualquer
e falas de coisas mansas como o luar
e paradas
como as águas de um lago adormecido,
acorda!
Deixa de vez
as margens do regato solitário
onde te miras
como se fosses a tua namorada.
Abandona o jardim sem flores
desse país inventado
onde tu és o único habitante.
Deixa os desejos sem rumo
de barco ao deus-dará
e esse ar de renúncia
às coisas do mundo.
Acorda, amigo,
liberta-te dessa paz podre de milagre
que existe
apenas na tua imaginação.
Abre os olhos e olha,
abre os braços e luta!
Amigo,
antes da morte vir
nasce de vez para a vida.

publicado por picareta escribante às 07:34
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

.

 

.

Lord Byron

publicado por picareta escribante às 07:29
link | comentar | favorito
Domingo, 22 de Janeiro de 2012

Uma Poesia por dia, nem sabe o bem que lhe faria

.

Urgentemente - Eugénio de Andrade

.

.

É urgente o Amor,
É urgente um barco no mar.

 

É urgente destruir certas palavras
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

 

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

 

Cai o silêncio nos ombros,
e a luz impura até doer.
É urgente o amor,
É urgente permanecer.

publicado por picareta escribante às 07:30
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
17


29
30
31


.posts recentes

. Quiz XLVIII

. Quiz XLVII

. Quiz XLVI

. Quiz XLV

. Quiz LIV

. Quiz LIII

. Quiz LII

. Quiz LI

. Quiz L

. Quiz XLIX

.arquivos

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub